Motivos para a sua empresa não ter um data center próprio

MOTIVOS PARA A SUA EMPRESA NÃO TER UM DATA CENTER PRÓPRIO

MOTIVOS PARA A SUA EMPRESA NÃO TER UM DATA CENTER PRÓPRIO

Datas centers se consolidaram no passado como os melhores locais para armazenar informações e rodar sistemas. Os maiores bancos mundiais – mercado que preza muito pela segurança – possuem seus próprios espaços para comportar as máquinas que guardam suas informações.

Hoje em dia empresas têm a possibilidade de utilizar estruturas adaptáveis em nuvens públicas (como AWS ou Google), mas, mesmo assim, muitas empresas ainda seguem o caminho mais tradicional de se fazer tecnologia.

Quando você olha para a torre dos seu pc ou para seu notebook talvez tenha a impressão que computadores são estruturas resistentes e de baixo custo. No entanto, se tratando de um data center, estamos falando apenas de uma grande quantidade de equipamentos que são estruturas muito mais sensíveis, complexas e caras.

Um data center tem requisitos de funcionamento como:

Estrutura e Segurança

Como dissemos, um data center é uma estrutura muito sensível. Por ser assim, esse tipo de estrutura precisa de alguns pré requisitos para operar.

São necessários investimentos em um bom sistema de refrigeração das máquinas, controle de umidade, isolamento sonoro e equipe técnica para a manutenção.

Espaço

Alguns datas centers são verdadeiras obras faraónicas. Um exemplo é o que está sendo construído em Fortaleza/CE pela Angola Cables. A construção ocupará uma área equivalente a uma campo de futebol, com 9 mil metros quadrados. E esse é apenas um exemplo que pode ser considerado mediano, comparado a outros data centers espalhados pelo mundo.

A correta disposição dos sistemas implica ter que utilizar um grande espaço, afinal, computadores e toda toda a estrutura que eles necessitam demandam espaço.

Os itens citados acima nos dão uma noção da complexidade desses espaços. É grande a quantidade de cuidados que os computadores necessitam, e muitas vezes, ocorrem acidentes em estruturas desse tipo, por vários motivos.

Vamos citar alguns problemas que já podem ocorrer e já ocorreram. Alguns são curiosos.

Vibração sonora

Computadores são sensíveis a vibrações sonoras. Não acredita? Um fato curioso ocorreu na Romênia, em 2016, durante um treinamento de incêndio no data center do ING Bank – um dos principais bancos do país. O problema foi causado pela alta pressão com que foi liberado um gás refrigerador, na sala dos servidores. O estrondo gerado durante a liberação do gás prejudicou HDs do local.

Diversos clientes relataram problemas para realizar pagamentos e para utilizar o internet banking.

Incêndio

Um prédio de 13 andares, onde funciona o data center de diversas empresas, pegou fogo neste ano. Diversas empresas, entre elas a Unimed, tiveram problemas com seus serviços.  

No local também estava o servidor que armazena o banco de dados do clube Internacional. O fogo causou tantos transtornos que chegou a chegou a impedir temporariamente o funcionamento dos serviços de check in e de comercialização de ingressos do Inter para o clássico Gre-Nal. Imagine a “felicidade” dos torcedores não conseguindo acesso a uma das partidas de futebol mais disputadas do país?

Falha Humana

Sistemas de informação, por mais automatizados que sejam, ainda dependem eventualmente de intervenção humana. Em algumas vezes as falhas ocorrem por conta de má configuração do sistema ou manuseio da infraestrutura, por conta da parte técnica.

No entanto, muitas vezes, coisas triviais como um esbarrão não intencional em algum cabo pode causar problemas no sistema. Esse tipo de problema ocorre com ainda mais frequência em ambientes com “gambiarras”, como emendas em fios, tornando as estruturas frágeis.

Empresas de Sucesso que terceirizam seus Datas Centers

A Gartner – empresa de consultoria –  prevê que receita mundial de nuvem pública crescerá 21,4% em 2018. Isso é reflexo do mundo acordando para novas formas de fazer a gestão de seus negócios, rodando seus sistemas na nuvem, por exemplo.

Um banco precisa gerenciar operações bancárias, o Spotify precisa tocar suas músicas e o Netflix disponibiliza seu conteúdo audiovisual. Todas essas empresas possuem seus determinados nichos de mercado e gerenciam seus sistemas em cloud.

A vantagem disso, além do custo, é a de se preocupar apenas com o core do negócio. Nada de criar um setor de TI na sua empresa para gerenciar um data center. O foco é total no seu negócio.

Concluindo o assunto, gostaríamos de chamar a atenção para os riscos e entraves de se ter uma infraestrutura própria, assim como as técnicas para migração para nuvem. Ferramentas que otimizam uso de infraestrutura e que funcionam tanto no data center quanto em nuvem, como é o caso do Docker, podem ser de grande ajuda nesse processo.

Caso você não saiba do que se trata Docker, recomendamos muito o artigo que produzimos sobre o assunto. Está muito esclarecedor. Basta clicar aqui para ler.

Fique por dentro do conteúdo do nosso blog. Assine nossa newsletter!

Até logo!