3 maneiras de superar gargalos do Cloud com DevSecOps

DevSecOps

Você já sabe que DevSecOps significa pensar em infraestrutura e segurança de aplicações desde o início do build e, também, automatizar a criação e checagem de algumas portas de segurança, evitando que o fluxo de trabalho DevOps entre em declínio.

Porém, em paralelo ao desenvolvimento dos processos de DevSecOps, a questão da segurança na nuvem acabou ficando para trás como resultado de uma infraestrutura em rápida evolução, além de processos e ferramentas que oferecem suporte ao DevOps e à segurança individualmente, mas não coletivamente.  

Com isso, foram criados gargalos nada triviais que nenhuma ferramenta ou tecnologia isolada consegue fazer com que desapareçam. 

No entanto, estamos aqui para compartilhar algumas das metodologias existentes para mudar de forma eficaz a segurança cloud native. Acompanhe este nosso novo artigo e veja quais são elas.

 

1. Automatizar tudo 

Você provavelmente está automatizando a sua segurança na nuvem, assim como também fez com os seus testes de software. Afinal, é completamente irreal esperar que até mesmo os melhores e mais experientes especialistas em segurança estejam sempre atualizados e por dentro das melhores práticas para cada provedor de nuvem, camada de serviço, plataforma de orquestração, recurso, etc. Assim, a automação é a única forma de fazer isso de forma abrangente, sem desperdiçar tempo e recursos.

Porém, essa automação pode acabar criando mais problemas, pois sem feedback acionável, automatizar a identificação de problemas resultará apenas em mais trabalho ou, pelo menos, em mais tickets que podem ou não se transformar em trabalho agendado.

Diante desse cenário, encontrar a ferramenta certa para automatizar a identificação de problemas é fundamental, mas aplicar a mesma metodologia para corrigir problemas é ainda melhor. Ou seja, seu objetivo deve ser automatizar para evitar que os problemas ocorram, não para simplesmente identificá-los.

 

2. Prevenir ao invés de reagir 

Muitos problemas do DevSecOps vêm de uma mentalidade de segurança historicamente reativa, que tem como objetivo se proteger de ameaças externas em vez de se prevenir internamente. E isso é completamente verdadeiro quando falamos de segurança na nuvem.

Agora, com o surgimento do provisionamento de infraestrutura como código, podemos começar a mudar essa mentalidade para uma abordagem preventiva que, não apenas colocará proteções consistentes, mas também fortalecerá a infraestrutura ao longo do tempo e economizará recursos a longo prazo, já que evita que configurações incorretas sejam implantadas.

No entanto, para fazer isso, as políticas precisam ser traduzidas , aplicadas e entregues em código. Ou seja, é preciso traduzir a automação de governança em uma linguagem comum e instrumentalizar os profissionais de segurança e os engenheiros de DevOps com soluções acionáveis. 

A aplicação de políticas na camada de código garante que a segurança da nuvem seja realizada de forma consistente e permite que ela seja dimensionada em todo o ambiente ao longo do tempo, aliviando os gargalos de DevSecOps na nuvem.

 

3- Potencializar os seus processos já existentes

A única maneira de tornar o DevSecOps na nuvem acessível e prontamente adotado é incorporá-lo às ferramentas e processos dos quais os desenvolvedores dependam e utilizem todos os dias. 

Embora não haja uma solução única para todas as organizações, realizar verificações automatizadas em cada revisão de código é uma ótima maneira de aproveitar os fluxos de trabalho existentes para incentivar a adoção de DevSecOps em nuvem. Administrar políticas de dentro de seu pipeline de CI/CD ou fornecer feedback sobre commits e pull requests é uma ótima maneira de impor barreiras e fornecer feedback acionável.

Já a forma como você usa esse feedback vai depender da maturidade do DevSecOps em nuvem. Em um mundo ideal, o código de infraestrutura mal configurado é bloqueado antes de ser mesclado no repositório central e você tem loops para implementar rapidamente as correções antes da implantação – muito parecido com o que você provavelmente já faz quando seus testes de integração falham em um build.

 

Conclusão

Quando você automatiza, entrega e integra o DevSecOps ao fluxo de trabalho do desenvolvedor, você torna a segurança da nuvem acessível para quem tem maior impacto sobre ela e assim mantém o ritmo de trabalho dos seus processos de DevOps com o pé no acelerador.

Gostou e quer saber mais sobre o assunto? Conte com a Vertigo! Possuímos  uma  equipe de consultores especializados em entregar a solução perfeita para empresas e negócios que buscam as vantagens da cultura DevSecOps em seus projetos, entre em contato.

 

Descubra o quanto sua empresa é Cloud Native com este questionário e receba um relatório com propostas de aceleração

 

Preencha o formulário para conversar com os nossos especialistas e saber como esses métodos podem ajudar a sua empresa chegar ao sucesso.


Os comentários estão encerrados.