Plataforma Digital: Portal X Intranet X Mobile

Gartner Magic Quadrant 2016 - Portal

Existem diversas plataformas digitais, muitas ferramentas e conceitos sendo cunhados sobre o assunto, certo? Nesse post, nós vamos explicar a nossa visão sobre o que é uma Plataforma Digital e vamos mostrar algumas ferramentas que podem lhe ajudar a entender e a construir esse tipo de solução.

Aqui na Vertigo nós somos parceiros da Liferay, assim como já fomos parceiros da Oracle, IBM e outras ferramentas, algumas estão no quadrante mágico do Gartner. Se quiser saber o que o Gartner pensar sobre essas plataformas, é só clicar aqui para acessar o Relatório do Gartner de 2016. Esse relatório acaba servindo de referência para muitas empresas que estão buscando uma ferramenta para auxiliar na construção de uma plataforma digital. Mas o que você pode esperar ao utilizar uma ferramenta que possua o posicionamento de lhe ajudar na entrega de experiências digitais? O que você, de fato pode fazer utilizando a plataforma da Liferay ou outra semelhante? Explicamos essa pergunta através de três pontos e são eles:

  1. Portal
  2. Intranet
  3. Mobile

Agora, vamos explicar com mais detalhes cada uma das soluções que citamos anteriormente.

Portais

Nós acreditamos que um Portal precisa permitir a personalização, em vários sentidos, e ter uma interface moderna e de fácil utilização, vale tanto para usuários desenvolvedores como administrativos, pois quanto mais fácil for criar uma aplicação mais rápida essa solução estará em produção. Ter funcionalidades nativas e a capacidade de integração com outras soluções de mercado, ajudam e contribuem para a criação de boas experiências digitais. E se assim for desenhado, esse portal pode ser encarado como a estratégia central para a obtenção de novos negócios, comunicação com o seu público, divulgação do seu propósito enquanto marca e por ai vai.

Que tipo de portal você pode criar?

  • Portais para clientes: Permita que seus clientes completem transações, acessem documentos, assinem novos serviços e obtenham informações online. Empresas como Avianca, Smiles, Azul, Prefeitura do Rio e outras estão usando o Liferay como plataforma de portal para obter novos negócios.
  • Portais para Sócios/Agentes: Ajude as pessoas, parceiros ou agentes a serem mais eficazes, oferecendo-os informações personalizadas, se esse for o objetivo do seu portal, é claro. Se você é uma seguradora e quer criar um portal para comunicar sinistro online, isso é possível. O Inep é uma empresa pública que possui uma área para parceiros e existem outras empresas que possuem portais focados em como atender as demandas dos seus públicos, utilizando o portal.

O que torna a construção de um portal bem sucedida?

Antes de qualquer coisa, precisa-se definir qual é o objetivo de negócio que é esperado dele, ou seja, conforme citado anteriormente, ele precisa ter um público que vá utilizar aquela solução, certo? Isso já está bem definido? Você está projetando gerar novas receitas por meio desse canal? Seu público está necessitando de uma ferramenta dessa natureza? Ele irá ajudar nos processos de negócio da companhia? Essas são perguntas que precisam ser respondidas antes da implantação de qualquer ferramenta. Após responder aos questionamentos, sugeridos anteriormente, existem esses pontos aqui:

  • Rápida Construção: A rapidez na hora de criar e implementar um portal pode ser algo decisivo, certo? Isso não é muito difícil de ser imaginado mas, a grande questão além da rapidez é saber o que criar primeiro, o que o seu público valoriza como mais importante ou o que é a imprescindível para a criação do seu portal. Outro ponto bastante relevante é ter um roadmap, claro, de evolução do seu portal e daquela ferramenta por parte do próprio fabricante. Tente alinhar o seu portal aos objetivos da empresa, ou seja, se você pensar em tornar o seu portal um gerador de receita, tente planejar como serão as integrações com outras ferramentas úteis para desenvolvedor novos negócios.
  • Interface amigável: Ter uma interface amigável para a construção e manutenção é outro ponto muito significativo para o sucesso desse projeto, portanto utilizar ferramentas que estejam investindo nas questões de UX (user experience) é relevante para a sua tomada de decisão. Pense na experiência do usuário final e na facilidade de criação e manutenção por parte do desenvolvedor.
  • Ser parte do seu negócio: O Portal precisa atender a algum requisito de negócio, conforme falamos anteriormente! Primeiro pense em qual dos dois objetivos esse portal vai atender, depois pense em conectar áreas existentes em sua empresa, afim de começar a construir a visão unificada dos seus processos e até dos seus usuários.

Funcionalidades do Portal

  • Perfil, Grupos e Papéis: Nesse sentido as permissões e o Single sign-on (SSO), acesso a diretórios de serviços, papéis e perfis é sempre importante ter essa visão e preocupação. Como por exemplo, a criação de grupos de usuários para determinadas funções (se você vende uma solução com níveis de serviço do tipo bronze, prata e ouro, esses usuários precisam ter acessos diferenciados aos seus serviços, certo? O Portal pode lhe ajudar nessa construção.
  • Gerenciamento de Documentos e Fluxos: Cada vez mais as empresas estão buscando por serviços que atendam muito bem a um determinado ponto, e a questão Gerenciamento de Documentos como por exemplo com Sharepoint ou Google Drive pode ser um ponto importante na sua avaliação. Além da customização de fluxos de processos corporativos, é claro.
  • Integração: Se comunicar com sistemas legados pode ser um fator de relevância e sucesso. A criação dessa comunicação pode ser através de APIs, serviços web e serviços de mensageria para softwares de terceiros, independente da forma, isso precisa acontecer.
  • Suporte Móvel: Outro ponto de destaque é permitir o acesso a informações ou mesmo o envio de conteúdo e finalização de processos de negócio através de dispositivos móveis, dependendo da realidade do negócio, isso pode ser considerado uma vantagem e um ponto a ser bem avaliado no momento da escolha da plataforma.

Intranet

Dependendo do tamanho da sua empresa, você vai precisar de ter uma intranet sim. Sim, elas são importantes para a criação de um Ambiente Digital saudável e atualizado. Existem diversas ferramentas que podem te ajudar na criação de uma intranet: Liferay, Oracle, Microsoft, IBM e outras.

Intranets são essenciais para produtividade, mas são subestimadas na maioria das vezes ou mesmo não são bem utilizadas por um má desenho na hora de implementa tal ferramenta. Isso impacta na percepção de qualidade e produtividade por parte dos gestores, sem contar a falta de treinamento e atualização. Investir neste tipo de solução pode aprimorar a eficiência das suas atividades e ter impacto direto em seus resultados. Quem nunca ficou procurando a versão final de um determinado documento? Já ficou procurando uma apresentação que estava apenas no e-mail? Não soube onde estava o template para confeccionar uma proposta comercial?

Alguns dos benefícios ao se ter uma Intranet são:
  • Accessibilidade: Intranets devem ser fáceis de usar e devem fornece informações e insights valiosos a sua equipe. Toda Intranet deve ter uma função clara de ajuda, se ela é um fardo para sua equipe, tem algo muito errado!
  • Produtividade: Ajuda seus colaboradores a tomarem decisões, criar conteúdos, compartilhar informações e ideias com o restante da companhia e isso é muito valioso, pois vivemos na era da informação!

  • Integração: Quando sua intranet se integra com sistemas de back-end (CRM, Software de Gestão, Sistemas Legados), ela tende a eliminar silos e a se tornar a central para busca de solução das operações de negócio.

O que faz uma intranet ser bem sucedida?

Existem diversos elementos que precisam ser cogitados no momento em que você vai construir ou levar em conta a construção de uma ferramenta, que pode ser um grande ganho para a empresa ou um grande desperdício de dinheiro e são eles:
  • Integração: Conforme mencionado anteriormente é importante possibilitar aos seus colaboradores o acesso seguro e personalizado a sistemas como: CRM, ERP, Financeiros, Marketing, logística e outras. Quanto menos sistemas pedirem login e senha, melhor! Quanto mais informações estiveram integradas, melhor! Numa intranet é importante ter integração com ferramentas como blogs corporativos, fóruns, wikis e uma base de informações para que os funcionários compartilhem seus projetos, cursos, currículos e por ai vai.
  • Capacidade de organizar informação: Compartilhar a estrutura da sua empresa com diferentes departamentos e equipes não é uma tarefa simples, mas pode gerar ótimos resultados. Dependendo do tamanho da empresa, é importante saber quem é o gerente de cada área para notificar sobre um problema, convidar para dar parecer num projeto ou mesmo convidar para participar de determinadas reuniões. Isso sem contar nas questões sobre apresentação comercial, financeira, parecer técnico, marketing, relatórios sobre log de sistema e por ai vai.
  • Facilidade de Uso: Não adianta ter a melhor ferramenta ou a mais robusta tecnicamente se ela não for de fácil usabilidade pelo usuário final. Se o usuário tiver que fazer muitas ações para uma atividade julgada como simples, existe um problema com isso. A grande sacada é permitir que seus times gerenciem as informações de maneira autônoma, seguindo o fluxo que fora desenhado, não importa o contexto.

Funcionalidades da Intranet

  • Hierarquia Organizacional: Gerencie facilmente as permissões de acesso aos funcionários da sua empresa ou mesmo os times informais de qualquer tamanho. É muito importante permitir o acesso aos documentos corretos somente as pessoas, que por direito, possam visualizar àquela informação. A criticidade na informação é algo a ser considerado, principalmente dependendo da natureza do seu negócio.
  • Design Responsivo: Ter uma Intranet que se adapte aos tipos de tela, para que os funcionários possam ter acesso à informação de qualquer lugar, é algo bem relevante e que de fato pode fazer a diferença na taxa de utilização desse tipo de ferramenta.
  • Documentos & Workflow: A questão de gerenciamento de documentos e a integração desses ao SharePoint ou Google Drive e a outros fluxos de processos do negócio, como dito anteriormente, é um ponto importante no momento da escolha.
  • Integração: Como dito anteriormente, se comunicar com sistemas legados pode ser um fator de relevância e sucesso. A criação dessa comunicação pode ser através de APIs, serviços web e serviços de mensagem para softwares de terceiros.
  • Suporte Móvel: Assim como no portal, além de permitir o acesso a informações, envio de conteúdo e finalização de processos de negócio através de dispositivos móveis.

Mobile

Não existe a melhor plataforma para criar ou iniciar a sua estratégia móvel. Existe a que mais se adapta as suas necessidades de criar esse tipo de solução, dentro de um escopo, prazo e valor possível para o investimento, valor de manutenção e por ai vai. A criação de uma experiência nativa ou mesmo web responsiva e a facilidade na construção das próprias aplicações é outro ponto importante. Quando for pensar em estratégia de Plataforma Digital, pense também  no roadmap do produto!

Um ponto muito relevante. É importante otimizar seu website para a navegação através de dispositivos móveis, como resultado, observe, avalie e mensure o crescimento de interações e engajamento vindo através desse tipo de dispositivo. O próprio Google contabiliza isso na hora de ranquear no mecanismo de busca e ninguém que estar na segunda página do Google porque o site não está otimizado para navegação mobile, certo? Use esses links para testar se seu site está otimizado: Testmysite Google | Compatibilidade com dispositivos móveis

  • Sites Responsivos: Desenvolva sites com funcionalidades que sejam relevantes para o seu público, uma delas pode ser ter um serviço de localização para adaptar o conteúdo de acordo com a região. Faça o preview dos dispositivos a fim de aferir como que o front-end vai se comportar em relação ao conteúdo e layouts, através dos dispositivos mais utilizados pelo seu consumidor.
  • Websites para dispositivos específicos: Utilize as regras de dispositivos móveis e a hierarquia dos sites para adequá-los a cada modelo. Nem sempre isso é fácil, mas se você gera receita através de canais móveis, vale a pena o investimento. Não é uma garantia de que vá aumentar as suas receitas, mas caso você não faça nada, existe a grande possibilidade de você perder muitas vendas por conta dessa não utilização e adaptação.
  • Google AMP e suas variações: Se você já sabe a importância do Mobile para a sua estratégia digital, mas ainda não ouviu falar sobre APM é bom procurar mais sobre o assunto para justamente começar a se diferenciar dos demais concorrentes. Listamos três links para isso e são eles:
É bem verdade que a construção de aplicações voltadas para dispositivos móveis requer algumas funcionalidades que são consideradas básicas, mas que nem sempre isso é algo simples ou fácil na hora de implementar e integrar com sua base de dados como por exemplo:
  1. O cadastro do usuário
  2. Login com autenticação oauth,
  3. gestão e integração com todas as contas,
  4. armazenamento de dados.
Utilize uma plataforma que permita a integração da sua solução web e móvel, se elas forem a mesma ferramenta de criação, isso poderá ser considerado uma vantagem na hora da escolha! E como dica, listamos três pontos:
  • Reutilize Funcionalidades Chave: Se antes de criar a sua aplicação, você pensar na criação das APIs, isso facilitará bastante o desenvolvimento das suas atuais e futuras aplicações. Temos um post onde falamos em Primeiro criar a API e depois pensar no device.  Pense nas funcionalidades tais como: Perfil dos usuários, documentos e regras de negócio que podem estar presentes em seus aplicativos e sites.
  • Integração instantânea: A integração é sempre algo importante, almejado por muitas empresas, mas nem sempre é de fácil execução, infelizmente! Fazer com que o seu aplicativo converse com os sistemas de Back-end, CRM, ERP pode ser um grande diferencial, principalmente se você pensar em obter receitas advindas desse canal.
  • Continuidade baseada em experiência: Monitorar a experiência do usuário, é algo muito relevante e para isso armazene as informações desses usuários tais como: o histórico da sessão, caminho percorrido, logs, APIs que foram chamadas, tempo de resposta e deixe essas informações em um lugar central. A ideia é contribuir para uma melhor experiência do usuário. Nesse post nos falamos sobre “A relação entre performance de aplicações e fidelidade de clientes

Conclusão

A grande questão é,  a escolha da ferramenta precisa acontecer após a definição de alguns pontos que foram levantados aqui. Fique tranquilo pois, não existe a melhor plataforma ou a plataforma soberana, o que existe é a melhor ferramenta segundo alguns critérios internos de avaliação! Como dica, sugerimos que você abra a discussão sobre três pontos específicos de avaliação e são eles:
  1. Ponto de vista de Negócio;
  2. Ponto de vista comercial;
  3. Ponto de vista Técnico.
A avaliação, utilizando esses três pilares, será boa para uma tomada de decisão mais ampla, uma vez que, irá trazer para a conversa pessoas de diferentes áreas com diferentes olhares. Ao longo do texto, deixamos  um material para ajudar na escolha da melhor ferramenta para a sua necessidade, é só você baixar o material que está aqui, ele te ajudará nesse guia. Qualquer dúvida ou sugestão, é só falar conosco.  

Tags: , , , , , , , ,

Trackback de seu site.

Vertigo

Somos uma consultoria de negócios focados em TI, agilidade e inovação são aspectos que levamos a sério. O nosso objetivo é Ajudar o nosso cliente a crescer utilizando a Tecnologia, é nisso que acreditamos!

Canais

Assine a nossa newsletter:

   


Av. Rio Branco, 151, sala 1002 – Centro
Rio de Janeiro, RJ - Brasil
CEP 20040-911
+55 (21) 2232-0123