• Acompanhe as novidades do mundo da TI:       

Entenda o que é uma API!

Uma imagem conceitual da API Uma API (Application Program Interface, em inglês) é uma interface que permite a comunicação entre dispositivos ou sistemas. Na era da internet das coisas, novos modelos de negócio e novas aplicações  as APIs tornaram-se ferramentas fundamentais para permitir que diferentes sistemas e “coisas” se comuniquem facilmente. É uma “ponte” que liga o sistema “A” com o sistema “B”. Desenvolver um programa ou modelo de negócio usando tecnologia, e sem usar APIs, pode ser extremamente para escalar o seu negócio. APIs não só diminuem o tamanho de um software, facilitam a manutenção como também o tornam mais dinâmico e menos suscetível a erros. Saiba mais sobre o assunto e entenda o que é uma API:

Ponte no mundo do software

Quando você ouvir a palavra API, pense em uma ponte ligando dois ou mais pontos, é uma porta inteligente foi programada para que os desenvolvedores acessem, alguns dados, de uma organização. Quando um desenvolvedor cria um app que utiliza GPS, ele não precisa programar linhas de código que instruam o celular a se conectar a um satélite para obter as coordenadas do local onde o usuário se encontra. Nesse caso, o Google Maps já possui isso pronto e desenvolvido, logo o 99, Uber, Cabify, Correios e etc. Em vez disso, essas empresas podem simplesmente digitar um comando, e chamar a API do Google Maps para que o aplicativo do sistema do aparelho solicite a localização atual daquele dispositivo. Seria algo como: algo como “getLocation”. Outro caso de uso, já se perguntou como é possível se cadastrar no Spotify com seu Facebook? Se pensarmos nesse tipo de cenário, onde um site que utiliza informações do Facebook/Gmail, para cadastrar novos usuários, como é o caso do TripAdvisor ou Spotify, vamos entender que isso só é possível por conta dessa integração. Por meio dessas APIs, o site envia um comando para os servidores do Facebook/Gmail solicitando ao site as informações necessárias para que esse novo usuário possar criar uma conta, de forma rápida e simples. Sem esse recurso, esse tipo de site teria que desenvolver do zero formulários de cadastro, páginas para a criação de novas contas e um banco de dados para armazenar todas essas informações. Dessa forma, esse site já utiliza tudo o que precisa e que já está presente nos servidores do Facebook/Gmail pegando somente aquilo que é necessário para a realização do novo cadastro! Uma informação importante e que é vivenciada por todos nós é que quanto mais campos são pedidos no momento de um cadastro ou de uma venda, maior a chance desse usuário desistir de se cadastrar ou comprar. As APIs ajudam nesse ponto também.

Quais são os tipos de APIs?

De forma bem simples e rápida, existem APIs Públicas e Privadas e você pode conhecer um pouco mais sobre esse assunto clicando aqui. Qualquer dispositivo (celular, PC, Carro, Totem, Site, Aplicativo e etc) com conectividade com a Internet pode usar uma API, independentemente do sistema operacional ou da linguagem de programação, facilitando assim a construção de uma plataforma e permitindo a criação de novos modelos de negócios de forma muito mais rápido do que em outras épocas. As APIs públicas são geralmente livres ou mesmo estruturadas como um plano freemium para que os desenvolvedores possam utilizar ou mesmo comprar para usar um determinado limite de chamadas por mês. Estima-se que atualmente existam mais de 15.000 API públicas. Nem todas as APIs são abertas para o público ou mesmo para qualquer tipo de desenvolver utilizar. Muitas APIs são usadas apenas internamente, como o uso da Netflix de uma API privada , que alimenta todas as transmissões de vídeo internamente. A comercialização de novos negócios através do conceito de primeiro desenvolver as API começou a tomar forma. Isso também é excelente para se integrar com os parceiros de negócio.

Exemplos de API

Para quem está pensando em criar APIs, existem ferramentas de código aberto (MulesoftWSO2) e proprietário (Oracle, IBM, SAP, Tibco, Red Hat e outras) que auxiliam nessa tarefa. APIs podem ser públicas, pagas ou até de uso privado ou limitado.  Isso vai depender do objetivo da empresa e que tipo de solução ela quer entregar, listamos alguns exemplos famosos de APIs: Shoptime Utiliza uma API, consumindo serviço lá do KM de vantanges da Ipiranga, ou seja, quando uma compra é feita pelo Shoptime, automaticamente, pontua-se no programa de milhagens da Ipiranga também. As duas empresas ganham com esse tipo de parceria. Decolar O funcionamento dessa empresa acontece através do consumo intensivo de API, pois toda a informação que é exibida para o usuário final, antes foi verificada (via API) com as demais empresas que o Decolar oferta os valores dos produtos e serviços. Sim, cada vez que acontece uma nova consulta sobre qualquer serviço que o Decolar venda, várias APIs foram chamadas para verificar o preço e a disponibilidade em tempo real. Para essas empresas, o Decolar funciona como mais um canal de vendas!  Ford A Ford está disponibilizando APIs para que os desenvolvedores venham a criar apps que se conectem com o Mídia Sync dos carros, dessa forma ela estimula que empresas usem suas APIs pensando na praticidade para o usuário final. Twitter Usa API pública mas limita a quantidade de vezes que um programa pode ter acesso a ela a cada hora. Isso evita que o site seja atacado por spammers ou tenha a sua experiência de uso comprometida em função de um excesso de chamados. Apple Possui inúmeras APIs nos seus sistemas operacionais, permite que os desenvolvedores possam utilizá-las para criarem apps, desde que paguem anualmente por isso. Dessa maneira, a empresa consegue controlar o software que é disponibilizado para os seus sistemas, garantindo que eles cumpram certas diretrizes de segurança e qualidade. Windows A empresa está liberando o acesso a grande maioria das suas APIs gratuitamente. O objetivo é manter o alto número de aplicativo tendo em vista que hoje o sistema operacional da Microsoft é o sistema com o maior número de aplicativos do mundo. O mesmo conceito serve para o produto Xbox que já se integra com outros serviços da empresa via API. Cabe ao desenvolvedor decidir qual API será mais útil ao sistema que ele desenvolve. Existem dezenas de milhares de APIs disponíveis para uso gratuito ou pago na internet. Dê preferência para as que possuem uma boa documentação, assim, você terá menos problemas para implementar novas funções no seu software, além de ter um suporte a erros mais preciso e descomplicado. Existem, é claro, casos em que é impossível fugir do uso de certas APIs. Não há como criar um aplicativo baseado no Twitter sem se sujeitar às regras de uso da API da rede social, por exemplo, mas isso não é um problema se elas forem bem utilizadas. Ao abrir as janelas do seu aplicativo para o mundo, você gera aumento no engajamento do usuário e um app dinâmico e livre de erros. E você, vai desenvolver alguma API e quer ajuda de um especialista? Já ajudamos uma empresa no ramo de Petróleo e Gás e uma Cervejaria no desenvolvimento de APIs. Entre em contato conosco da Vertigo Tecnologia Tem alguma dúvida, fique a vontade! É só falar!

Leia mais


Como criar a visão unificada do cliente?

mulesoft-infographic_2   Vivemos em um mundo corrido, onde cada vez mais informações são solicitadas e somos obrigados a conhecer ainda mais o nosso cliente. É por esse motivo que temos que ter dados sobre tudo, mas nem sempre dados geram informação. Como transformar dados em informação? Nesse post, vamos falar sobre a criação da visão única do cliente e também deixar o link do vídeo, onde o CEO da Janrain, fala com propriedade sobre o assunto. É importante deixar claro que para que essa estratégia aconteça, duas áreas precisam estar bem alinhadas e são elas: marketing e TI.   Três perguntam ajudam a ilustrar esse desafio:
  1. Quais são as suas estratégias para ganhar relevância e credibilidade com seu consumidor?
  2. Sua estrutura – de Negócio e TI – está voltada para coletar as informações relevantes desse consumidor ou estão acumulando dados e mais dados sem um propósito claro?
  3. As informações dos seus clientes estão reunidas em um único lugar?
Reunir informações do cliente pode ser uma tarefa complicada pois, esses dados ficam armazenados em diferentes setores, cidades e até países. Uma nova informação é gerada a cada ponto de contato (podendo ou não ser uma venda) e mudanças ocorrem de forma frequente. Sim, criar uma visão holística da jornada do seu consumidor pode ser um baita desafio, mas isso pode ser resolvido se a arquitetura de TI, certa, for utilizada. Por isso que é extremamente importante a aproximação das áreas de TI e Marketing.   Abaixo você pode acessar o vídeo em que Larry Dreves, fundador e CEO da Janrain, fala sobre como fazer com que os dados do consumidor sejam relevantes para o Negócio. Ele também aborda os benefícios de gerenciar essa visão holística do cliente usando ferramentas em Cloud. Essa visão única do cliente é cobiça por diversos profissionais de marketing em diferentes empresas e segmentos. Mas como fazer com que isso se torne realidade? Vai lá, assista a esse vídeo!                               Existem algumas soluções no mercado (Mulesoft, WSO2, Oracle, IBM, SAP, Tibco, Red Hat e outras) que ajudam a integrar dados e sistemas legados da companhia, lembra que a dificuldade está em reunir os pedaços da informação do departamento de marketing, financeiro, trade, TI, P&D e por ai vai. A integração dessa informação pode ser feita via API e em Cloud e algumas das ferramentas citadas anteriormente, nasceram para atender esse objetivo!   No caso da Janrain, eles utilizam o Mulesoft (Anypoint Platform) como peça central nesse objetivo de integrar diversos dados para então criar uma visão única do cliente! Abordaremos duas visões aqui: Negócios e TI. Negócios: Ele conseguiu reunir as principais informações do cliente, definiu quais seriam as informações mais importantes e começou por elas, mas existe um roadmap de evolução, onde novas informações farão parte dessa integração de dados. TI: Utilizando essa ferramenta, eles conseguiram reduzir, drasticamente, o tempo de criação de novos conectores, expandiram a comunidade de desenvolvedores e conseguiram incentivar o reuso dos serviços existentes.   Assista ao vídeo, é interessante e você aprenderá sobre:
  • Como integrar os dados do clientes usando uma ferramenta de Cloud.
  • Exemplos de conexão e sistemas
  • Fases da integração, requisitos, fundamentos, limitações e implementação.
Está desenhando algum projeto de visão unificada do cliente e quer ajuda de um especialista? Entre em contato conosco da Vertigo Tecnologia, podemos te ajudar na escolha da melhor solução! Gostou das nossas dicas sobre como começar uma estratégia de visão holística do cliente? Assine nossa newsletter e receba mais conteúdo direto no seu e-mail! Texto traduzido e inspirado por: blog.Mulesoft

Leia mais


O que você precisa saber sobre Saas?

O que você precisa saber sobre Saas

Mesmo que a sigla SaaS não seja muito familiar para você, é bem possível que já tenha usado algum serviço dessa natureza — se sua empresa usa Office 365, Google Apps, Salesforce, Dropbox ou algo nessa linha, você já tem experiência com o modelo. SaaS é a sigla para Software as a Service (em livre tradução, software como serviço), e refere-se a softwares que, hospedados na nuvem, são oferecidos por provedores em modalidade de aluguel ou assinatura. Isso significa, em outras palavras, que a empresa não precisa mais comprar e instalar um software no computador: basta acessar a URL do serviço através de web browsers e pronto! Tudo o que precisa ter para isso é conexão à internet.

Assim, o serviço torna-se disponível através de qualquer dispositivo, do desktop ao smartphone — bastando estar online — e os custos com hardware e infraestrutura de TI ficam muito menores. Isso permite construir e oferecer serviços (desde CRM a sistemas de gestão empresarial) bem mais dinâmicos, com manutenção e atualizações mais rápidas, e garante maior satisfação ao cliente final com menos trabalho para o time de desenvolvedores. Além disso, a precificação é diferente, já que a empresa não precisa mais pagar por uma licença ao comprar um pacote completo, mas assina o serviço e tem a liberdade de começar (e deixar) de pagar quando achar conveniente.

Neste post, explicaremos melhor como funciona o SaaS e por que essa modalidade deve estar no radar de toda empresa que busca inovar e oferecer serviços de forma ágil e de boa qualidade:

Por que o SaaS é um bom negócio para a sua empresa?

Manutenção e inovação

Como a infraestrutura encontra-se toda concentrada na nuvem, fazer upgrades torna-se muito mais simples. Ao poder atualizar o software para todos os usuários ao mesmo tempo, acaba a necessidade de lidar com a manutenção de versões mais antigas e o feedback é mais imediato, fazendo com que as melhorias possam ser feitas mais rápido e oferecendo uma melhor experiência de uso ao cliente final.

Simples e escalável

As condições de infraestrutura oferecidas por servidores na nuvem tornam o negócio escalável tanto pra o usuário quanto para a empresa, que pode usar MVPs para validar ideias e desenvolver novos produtos e serviços. Além de não requerer investimentos muito grandes em hardware, o SaaS não tem custos de instalação para o usuário, deixando o time de desenvolvimento com mais tempo para desenvolver e fazer upgrades no produto.

Baixo custo

Essa talvez seja a maior vantagem do SaaS e o motivo pelo qual ele tem sido utilizado com muita frequência por startups e empresas de TI como alternativa para o desenvolvimento de novos produtos e serviços. É muito mais simples e barato inovar com um software oferecido como serviço porque não há necessidade de investimentos de capital muito altos para desenvolvimento e manutenção. Esses custos menores tornam o SaaS um modelo muito mais competitivo.

Relacionamento com o usuário

Por ser um serviço mais dinâmico, o SaaS precisa desenvolver diferenciais competitivos que conquistem e mantenham os usuários utilizando-o por um período muito maior. Como as empresas podem investir mais tempo e esforço para garantir uma boa experiência ao usuário, o resultado é um serviço bem prestado e uma fidelização maior dos clientes.

Deu para entender melhor as vantagens do modelo SaaS? Está criando algum projeto que utilize Saas e quer ajuda de um especialista? Entre em contato conos da Vertigo Tecnologia, podemos te orientar nessa escolha! Ainda tem dúvidas, escreva ela aqui nos comentários e vamos conversar! Aproveite para assinar a nossa newsletter, assim você não  vai perder nenhuma dica e novidade aqui do blog!

Leia mais


5 vantagens de usar software open source

5 benefícios de software open source para o seu negócio Conforme o mundo dos negócios e as organizações governamentais se curvam à filosofia do open source, começa a ficar claro que as vantagens de adotar esse conceito não se restringem aos preços — e depois de ler este texto, você provavelmente se perguntará por que sua empresa ainda não “saiu do automático” para adotar essa solução. Diferente do que pensa o senso comum, o open source é uma filosofia alternativa de negócios e não apenas a disponibilização de softwares gratuitos. É importante ressaltar que o código do programa pode ser livre, mas não necessariamente gratuito. Conheça 5 vantagens de usar o open source na sua vida profissional.

Benefícios do open source no seu negócio

 

1 – Mais confiabilidade

Na aquisição de softwares de código fechado, tudo o que o cliente tem são as promessas dos fornecedores sobre o alto nível de segurança que envolve a aplicação. Não há, entretanto, como ter certeza de nada. Por outro lado, se ele tiver instalado em sua máquina um software open source, é possível conferir as linhas codificadas, detalhes da API (interface entre aplicativo e programação) e, assim, ter uma certeza maior do nível de confiabilidade do produto, afinal você saberá para onde as suas informações estão indo.

2 – Maior Interoperabilidade

Por se tratarem de produtos de empresas diferentes (muitas vezes, concorrentes), os softwares proprietários costumam ser pouco flexíveis na sua interação e compatibilidade com outras aplicações. Assim, quem valoriza a interoperabilidade de um software com computadores, sistemas e usuários, certamente se adaptará facilmente às vantagens do open source Mindset. Quando se usa um software open source, a liberdade para integrar  com outras sistemas ERP (SAP, Oracle, IBM e outros) e bancos de dados é maior.

3 – Fontes de suporte muito mais extensas

Nesse quesito, o open source software dá goleada em qualquer software proprietário: são milhares de comunidades de fãs da filosofia do código aberto, debatendo, oferecendo sugestões e auxiliando novos usuários na melhoria de sua experiência de usuário com os mais diversos softwares open source. O Linux é um exemplo de sistema de código aberto que conta com uma infinidade de documentações de excelente qualidade (linhas de programação, APIs, etc.). Tudo de graça e espalhado pela web.

4 – Liberdade de personalização

Embora o conceito de open source envolva manter a autoria do código fonte original, de posse dele é possível desenvolver novas aplicações que se adequem melhor às necessidades da sua empresa. A personalização do software acontece de forma mais rápida.

5 – Redução do Custo Total de Propriedade (TCO)

Na grande maioria dos casos, podemos afirma que o Open Source é mais barato do que o software proprietário, mas que queremos nesse post é mostrar a você que as vantagens de adotar o open source em seu negócio são inúmeras e que elas vão muito além do preço! Entendeu por que as empresas estão aderindo cada vez mais às políticas de open source? Nós da Vertigo Tecnologia usamos bastante soluções open souce! Ainda tem dúvidas sobre o assunto ou quer falar sobre alguma coisa? Deixe o seu comentário aqui no blog!

Leia mais


Liferay ou WordPress? Veja como escolher

Liferay ou WordPress Veja como escolher (2) (1) Uma característica muito comum dos comparativos é analisar prós e contras de cada opção e recomendar aquele que apresenta mais vantagens para o leitor. Mas e se as soluções comparadas não competem entre si? Esse é o caso do Liferay e o WordPress. Cada um tem uma finalidade específica e neste post vamos te ajudar a entender quais são as características de cada um. Quer saber qual dos dois pode atender melhor às necessidades da sua empresa? Confira!

Entendendo o WordPress

O WordPress é o CMS (entre nesse link e saiba mais sobre CMS) mais usado no mundo, e não é por acaso. Além de ser gratuito, o sistema possui fácil instalação, conta com uma grande quantidade de opções disponíveis para customização, como templates (modelos prontos de sites) e plug-ins que podem transformar um site até em e-commerce. Apesar disso, o grande foco do WordPress ainda é o conteúdo e a maior utilização desse CMS é para criar blogs de todos os tipos. É muito fácil começar a publicar na plataforma e os diversos plug-ins adicionam funcionalidades importantes, como a moderação de comentários e proteção contra spam. Além disso, a comunidade mundial do WordPress é um de seus maiores diferenciais, e seu apoio ativo é responsável pelo desenvolvimento constante da plataforma. Tamanho esforço fica evidente desde a documentação, disponível em vários idiomas, até a criação de novas funcionalidades e integrações.

Entendendo o Liferay

O Liferay, por outro lado, é um portal (entre nesse link e saiba mais sobre Portal) voltado para a criação de soluções empresariais. Por ser uma ferramenta de portal, entre suas funcionalidade estão: a construção de sites (em diversos idiomas), aplicações web, plataformas de colaboração (como é o caso de uma intranet), criação de sistemas de gerenciamento de conteúdo, permissão de acesso por tipo de usuário, página pública e privada, permissões na edição de artigos, Portlets , integração nativa com ERPs, bancos de dados e outros. Diferentemente do WordPress, que é muito utilizado para sites casuais e consegue se moldar a certos requisitos profissionais dos usuários, o Liferay é um portal que supre necessidades comerciais e organizacionais muito mais complexas, mas sem deixar de lado a flexibilidade e a facilidade de uso.

Qual a melhor opção para mim?

Após entender rapidamente a proposta de cada aplicação, fica fácil perceber que são, na verdade, totalmente diferentes e não atendem ao mesmo público — nem foram criadas para as mesmas necessidades. O WordPress é um ótima opção para blogs e canais de conteúdo, em especial os mais simples, ou até lojas virtuais iniciando suas operações de modo mais modesto. O Liferay, por sua vez, é mais robusto justamente por se tratar de uma ferramenta de Portal. Seu público são empresas que precisam de soluções rápidas, de fácil adoção e simplicidade. Se você está começando agora ou deseja algo mais casual e simplificado, o WordPress é mais indicado. Está pesquisando sobre Drupal e Joomla! e quer mais informação sobre eles? Já se está à procura de uma alternativa mais profissional para escalar o seu negócio, certamente terá melhores chances com o Liferay. Está desenhando algum projeto de portal e quer ajuda de um especialista? Entre em contato conosco da Vertigo Tecnologia, podemos te ajudar na escolha da melhor solução! Gostou das nossas avaliações sobre essas duas plataformas? Assine nossa newsletter e receba mais conteúdo de qualidade direto no seu e-mail!

Leia mais


4 Maneiras de organizar as informações da sua empresa

4 ferramentas para sua empresa

4 Ferramentas para organizar as informações da sua empresa.

Cada vez mais torna-se necessário o investimento de tempo no gerenciamento de dados para que se tenha informações relevantes, essa é dificuldade atual. Outro ponto muito discutido está em onde armazenar esses dados e como encontrá-los de maneira rápida, fácil e atualizada. Veja a seguir algumas dessas opções e como elas podem te ajudar nessa tarefa:

Planilhas

O uso de planilhas pode simplificar muito algumas demandas internas e facilitar a tomada de decisões no dia a dia da empresa. Por exemplo, organizar o processo de vendas pode envolver muita pesquisa e planejamento, conversas com potenciais clientes, entre outras coisas. Ao usar planilhas, a equipe de vendas consegue organizar melhor esses dados e dividir o processo em etapas. Assim, fica mais fácil acompanhar os resultados desses esforços e atualizar os dados mais relevantes sempre que houver uma mudança. Esse é apenas um exemplo, mas pode ser replicado em qualquer setor de acordo com as atividades, variando desde registros de funcionários até a estratégia de social media da empresa.

Dropbox

O Dropbox é um sistema de organização e armazenamento de arquivos na nuvem. Na prática, isso significa que você pode guardar todas as informações e documentos mais importantes e acessá-los de qualquer dispositivo, em qualquer lugar do mundo. Além disso, você pode compartilhá-las com outros, tornando os documentos públicos ou permitindo que pessoas específicas os vejam por meio de links seguros.

Intranet

É bem verdade que a criação de uma intranet está além das soluções acima, é mais indicado para quem quer ter as informações da empresa disponíveis em um ponto central e ter agilidade na tomada de decisões importantes. Mas o que é uma intranet? Basicamente, é um portal exclusivo da empresa, um canal bem amplo que serve como “ponto de encontro” corporativo para compartilhar informações e dados. Um portal desse tipo é geralmente usado para gerenciar projetos, compartilhar atualizações importantes, coletar dados vitais e definir alvos futuros. Mais do que organizar, uma intranet também pode ter efeito social dentro da instituição, visto que os funcionários podem se comunicar melhor, colaborar entre si para conquistar objetivos em comum e se desenvolver profissionalmente.

Fluig

Para quem está disposto a investir na criação de uma intranet, existem sistemas integrados, como o Fluig, que conseguem entregar os resultados esperados de uma Intranet sem a necessidade de criar um sistema do zero. O Fluig traz 10 componentes responsáveis por gerenciar qualquer aspecto de uma empresa de modo personalizável, simples e rápido. O ponto importante é que uma ferramenta dessa natureza consegue atender desde a demanda inicial de uma Intranet até gerenciar os processos e integrar os sistemas da sua empresa. Um dos destaques da plataforma, sem dúvidas, é o aplicaivo móvel do Fluig é bem prático e chegar a ser um diferencial pois, permite que você acesse os dados da sua Intranet via celular ou tablet. É possível aprovar pedidos, requisições, alterar documentos e escalar atividades via celular. De fato, não podemos minimizar o papel que o gerenciamento de informações possui no ambiente corporativo, onde precisamos cada vez mais ser acertivos. Com o uso de aplicações úteis, como um bom portal, ferramenta de comunicação ou integração de sistemas, você terá o que precisa para gerenciar sua empresa de forma efetiva. Gostou das nossas dicas sobre organização? Quer tirar alguma dúvida sobre a plataforma Fluig? Converse conosco, a Vertigo Tecnologia é parceira oficial da Fluig. Assine nossa newsletter para receber mais dicas e informações no seu e-mail e ficar por dentro!

Leia mais


5 Vantagens de utilizar intranet na sua empresa

Em uma época onde informação e tempo são coisas preciosas para uma empresa, saber usar a tecnologia é, certamente, um fator diferencial. Nesse Post vamos abordar os benefícios de se ter uma Intranet.

A intranet é um portal da empresa onde só tem acesso aqueles que foram autorizados, podendo ser usada por diferentes tipos de empresas em diferentes segmentos. Ela tem como princípio atender dois objetivos: 1) Resolver problemas de comunicação corporativa; 2) Facilitar o acesso à informação. Veja agora 5 razões para você começar a utilizar a intranet na sua empresa:

Diferentes níveis de acesso

Embora a premissa da intranet seja a disponibilização e compartilhamento de informação para todos, você pode criar níveis de acesso de acordo com o perfil de cada usuário. Isso significa que as informações às quais o gerente tem acesso podem não ser as mesmas do analista e assim por diante.

Além disso, também é possível criar níveis de acesso de acordo com um projeto específico. Assim, informações importantes da empresa ficam guardadas com muito mais segurança e praticidade.

Leia mais


Canais

Assine a nossa newsletter:

   


Av. Rio Branco, 151, sala 1002 – Centro
Rio de Janeiro, RJ - Brasil
CEP 20040-911
+55 (21) 2232-0123